Aspectos fisiológicos e qualitativos da conservação pós-colheita de inflorescências de gengibre-vermelho [Alpinia purpurata (Vieill.) K. Schum.]

Cláudia Fabrino Machado Mattiuz, Teresinha de Jesus Deléo Rodrigues, Ben-Hur Mattiuz, Kathia Fernandes Lopes Pivetta

Resumo


Alpinia purpurata é uma monocotiledônea pertencente à família Zingiberaceae. É planta rizomatosa, perene, com belas inflorescências, empregadas em arranjos florais, isoladamente ou em conjunto com outras flores tropicais. O presente trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do uso de soluções de manutenção na fisiologia pós-colheita de inflorescências de Alpinia purpurata. Foram instalados dois experimentos: um com soluções conservantes para a avaliação da qualidade das flores e outro para a avaliação da atividade respiratória das inflorescências de Alpinia purpurata. Os experimentos foram conduzidos em delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial. As inflorescências permaneceram nas seguintes soluções de manutenção: ) água destilada; 2) sacarose a 2% + 8-hidroxiquinolina a 200 ppm; 3) sacarose a 2%; 4) sacarose a 2% + ácido cítrico; 5) benziladenina a 0mM; 6) benziladenina a 0mM + sacarose a 2%. O primeiro experimento foi composto por dois fatores: soluções de manutenção e épocas de avaliação. Foram avaliados os seguintes aspectos qualitativos das inflorescências: cor, turgescência, escurecimento e curvatura das brácteas. No segundo experimento, foi determinada a atividade respiratória das inflorescências, e este experimento obedeceu a um esquema fatorial composto por dois fatores: soluções de manutenção e datas de avaliação da atividade respiratória. A utilização da benziladenina a 0mM, na solução de manutenção, manteve a qualidade e reduziu a taxa respiratória das inflorescências.Palavras-chave adicionais: alpínia; solução de manutenção; qualidade; respiração; benziladenina.

Texto completo:

artigo completo - pdf


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/1984-5529.2005v33n1p83-90