Resposta de cultivares de trigo à inoculação de sementes com Azospirillum brasilense, e à adubação nitrogenada em cobertura.

Juliane Mendes Lemos, Vandeir Francisco Guimarães, Eliane Cristina Venduscolo, Marise Fonseca Santos, Luiz Cláudio Offemann

Resumo


Os fertilizantes nitrogenados, além de onerosos, não oferecem nitrogênio suficiente às gramíneas; visto isto, a utilização de bactérias fixadoras de nitrogênio pode auxiliar a nutrição dessas plantas.  Objetivou--se avaliar a eficiência agronômica da bactéria diazotrófica (Azospirillum brasilense), comparada e associada à adubação nitrogenada em cultivares de trigo (Triticum aestivum). Foram utilizadas cinco cultivares de trigos cultivados na região (CD 104, CD 108, CD 119, CD 120 e CD 150). Os tratamentos foram: inoculação de sementes com A. brasilense (Ab-V5); adubação nitrogenada em cobertura; inoculação de sementes com A. brasilense (Ab-V5) associado à aplicação de nitrogênio em cobertura e um tratamento-testemunha, sem inoculação de sementes e aplicação de nitrogênio. Foi realizado delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições. Avaliaram-se a massa seca de raízes, o teor de nitrogênio total na parte aérea e o teor de amônio nas raízes, no estádio de início da antese. No final do ciclo da cultura, avaliaram-se o rendimento de grãos e o teor de proteínas nos grãos. Observaram-se diferenças de resposta entre as cultivares de trigo quando inoculadas com A. brasilense associado à adubação nitrogenada. A cultivar CD 150, no tratamento associado, foi o que apresentou os maiores teores de nitrogênio na parte aérea, massa de 1.000 grãos e teor de amônio nas raízes, em relação à adubação nitrogenada. Esses resultados mostram uma interação positiva da bactéria fixadora de nitrogênio e a adubação nitrogenada com a cultivar de trigo CD 150.

 


Texto completo:

ARTIGO COMPLETO


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/1984-5529.2013v41n2p189-198