Capacidade de uso da terra e abatimento de erosão hídrica em propriedades agrícolas do sul do Rio Grande do Sul

Margareth Andrade dos Reis Tavares, Maria Cândida Moitinho Nunes, Vitor Emanuel Quevedo Tavares, Flavia Fontana Fernandes, Letícia Penno de Sousa

Resumo


Sistemas de uso e manejo do solo adotados de forma inadequada podem comprometer a qualidade dos solos e dos corpos hídricos. O objetivo desse estudo foi determinar a capacidade de uso da terra e o percentual de aba­timento de erosão, decorrentes do uso e manejo adequados do solo para a bacia hidrográfica do arroio Epami­nondas. Foram selecionadas três propriedades rurais da bacia, subdivididas em glebas homogêneas. Foi reali­zado o levantamento dos fatores limitantes de cada gleba, bem como análises físicas e químicas dos solos. Foi classificada a capacidade de uso da terra, identificados os conflitos de uso e calculado o percentual de abati­mento da erosão. A profundidade efetiva e o gradiente textural foram os principais fatores limitantes observados, responsáveis pela classificação de 87,69% da área na classe IV de capacidade de uso da terra. Da área agrícola em estudo, 53,42% estão sobreutilizadas, ou seja, em conflito de uso. A implantação de um projeto de paga­mento por serviços ambientais, com mudança no uso da terra e substituição do cultivo convencional por sistemas conservacionistas, pode proporcionar redução de 59,74% da erosão nessas áreas agrícolas. Nas áreas atual­mente com hortaliças e pousio, a adoção da prática de plantio direto em hortaliças, com cultivo em nível e em rotação com plantas de cobertura, além da recuperação das pastagens, pode promover abatimento da erosão em, aproximadamente, 51%.


Texto completo:

ARTIGO COMPLETO - FULL TEXT


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/1984-5529.2020v48n4p374-385