Efeito de doses de nitrogênio e potássio no crescimento, na composição química e nos teores de amônio e nitrato da parte aérea de aveia-amarela cultivada em casa de vegetação

Leandro Lourenço Alves, Paulo Affonso Bellingieri

Resumo


O presente experimento foi conduzido em casa de vegetação, em Jaboticabal (SP), utilizando-se de um Latossolo Vermelho distrófico típico, em vasos, tendo como objetivo avaliar os efeitos de doses de nitrogênio e potássio na produção de matéria seca e alterações na composição química do solo e da planta. Para a fertilização mineral do solo, utilizou-se de uréia, superfosfato simples, cloreto de potássio e sulfato de zinco heptaidratado, nas doses de 0, 00, 200 e 400 mg dm-3 para nitrogênio e potássio; 200 mg dm-3 para fósforo e 5 mg dm-3 para o zinco. As adubações com N e K foram parceladas em três aplicações, a primeira na semeadura, a segunda 0 dias após e a terceira, 5 dias após a segunda. A semeadura de aveia-amarela (Avena byzantina C. Koch) foi realizada após 30 dias de incubação do corretivo. As amostragens da parte aérea foram realizadas 60 e 20 dias após semeadura, sendo determinados: a produção de MS, teores de proteína bruta (PB), teores de macronutrientes e de alguns micronutrientes (Cu, Fe, Zn e Mn) na parte aérea. As doses de N utilizadas alteraram positivamente a produção de matéria seca e os teores de PB nos dois cortes, e doses crescentes de K, até 200 mg dm-3, proporcionaram aumento do teor de amônio. Observou-se efeito positivo do N e K nas concentrações de N-NH4 + e N-NO3 - do solo.Palavras-chave adicionais: Avena byzantina; nutrição mineral; adubação; composição química.

Texto completo:

artigo completo - pdf


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/1984-5529.2004v32n2p107-114