Efeito do uso prolongado de água residuária da suinocultura sobre as propriedades químicas e físicas de um Latossolo Vermelho-Amarelo

Bruno Grossi Costa Homen, Onofre Barroca Almeida Neto, Marisa Senra Conde, Mateus Diniz Silva, Igor Machado Ferreira

Resumo


A água residuária de suinocultura (ARS) possui características que possibilitam sua disposição no solo como fertilizante, sendo uma alternativa para o não acúmulo desse material na propriedade, além de proporcionar redução de custos com fertilizantes químicos sintéticos. Quando inadequada­mente usada, pode constituir-se em fator negativo de impacto ambiental. Diante disso, neste trabalho avaliamos o efeito da aplicação contínua de ARS nas propriedades químicas e físicas de um Latossolo Vermelho-Amarelo. O experimento foi realizado numa área plana, ocupada com pastagem de Brachiaria decumbens cv. Basilisk estabelecida há três anos. No total foram cinco ciclos da forrageira, onde a cada ciclo da forragem, foram aplicadas as doses 10, 20 e 30 m3 ha-1 de ARS, totalizando as doses de 50, 100 e 150 m3 ha-1 ano-1. A aplicação da ARS procedeu-se por 5 meses, determinando as propriedades químicas e físicas do solo em duas etapas, uma aos 82 dias de fertirrigação e outra aos 138 dias de fertirrigação. As amostras de solo foram retiradas, nas camadas de 0-0,20 e 0,2-0,40 m. A aplicação de ARS não conseguiu recuperar a fertilidade do solo e suprir a quantidade de nutrientes que a planta estava extraindo, provocando um decréscimo na concentração de fósforo, potássio, cálcio e magnésio, além da diminuição de outros parâmetros ligados a esses nutrientes, como soma de bases e saturação de bases. A água residuária de suinocultura contribui para o aumento da concentração de alumínio trocável e sódio e para a diminuição da matéria orgânica e da capacidade de troca catiônica do solo.


Texto completo:

ARTIGO COMPLETO


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/1984-5529.2014v42n3p299-309